sexta-feira, 11 de setembro de 2020

O pai teria perdido tanto


A história comovente da jovem neozelandesa de 18 anos Rachel Major e seu pai realçou os perigos inerentes das leis de eutanásia propostas para a Nova Zelândia este ano.
Antes de ela nascer, o seu pai, Glenn Major, foi diagnosticado com um tumor cerebral. Como resultado, a sua infância não foi convencional. Depois da escola costumava visitar o seu pai no hospital onde ele passava a maior parte do tempo, fazia vídeos e festas de aniversário.
“Eu tinha que visitar o meu pai todos os dias depois da escola na casa de repouso, então [a minha infância] foi bem diferente das outras crianças. Mas não foi a primeira coisa que vi, vi que tinha um pai e que o amava e ele me amava. ”
“Mesmo quando ele estava doente demais para andar, o meu pai certificou-se de que as rodas da sua cadeira passassem pela lama nas laterais do campo de futebol.”
Glenn foi diagnosticado com seis meses de vida - quando Rachel tinha um, quatro e nove anos de idade. E ainda assim ele misteriosamente continuou a viver por mais 8 anos, quando finalmente morreu aos 42 anos.
Rachel manifesta o seu pedido aos neozelandeses que votem contra o projeto de lei de escolhas para o fim da vida. A sua própria experiência a convenceu de que legalizar o suicídio assistido seria uma má decisão para as pessoas que se encontram na mesma situação que o seu pai.
O seu pai teria sido elegível para ter acesso ao suicídio assistido sob as leis propostas, porque ele tinha uma doença terminal, estava com a mente sã e foi diagnosticado com 6 meses de vida.
Ela afirma que seu pai teria “perdido tanto” se essa escolha estivesse disponível e ele a tivesse escolhido.
As preocupações de Rachel em relação às leis propostas são as seguintes:
- a opção de suicídio assistido disponível pode colocar pressão sobre as pessoas com doenças terminais a fazerem essa opção, especialmente se sentirem que são um fardo para os outros.
- Pessoas com doenças terminais podem ficar muito deprimidas e podem sentir-se muito testadas como resultado. “Têm que justificar por que optou por não aceitá-lo, porque é legal.”
- Em terceiro lugar, a "escolha" de solicitar assistência para um suicídio deve ser ponderada em relação à segurança pública:
“A razão pela qual abolimos a pena de morte é porque não queríamos uma única morte injusta e, para algo como isso, em que coisas psicológicas podem acontecer, provavelmente haverá mortes injustas.”
Os neozelandeses merecem leis melhores do que as perigosas leis de suicídio assistido.

Sem comentários:

Publicar um comentário