segunda-feira, 19 de abril de 2021

Relatório belga de eutanásia: 2002 a 2020 - Eutanásia e Suicídio Assistido na Europa.





Quase 20 anos após a aprovação da lei de 28 de maio de 2002 que legaliza a eutanásia na Bélgica, cerca de 25.000 pessoas foram eutanasiadas entre 2002 e 2019, segundo dados oficiais da Comissão Federal de Controle e Avaliação da Eutanásia.

Este grande número levanta várias questões, às quais esta nota busca responder. Qual é a legislação aplicável e os debates atuais para ampliar sua aplicação? Quais são os dados estatísticos mais precisos? Quais são os desvios na aplicação da lei, e que reações esses excessos éticos provocam?

A Bélgica descriminalizou a eutanásia em 2002 para adultos. Em 2014, a lei foi estendida a menores sem limite de idade. Nas últimas duas décadas, o número de eutanásias aumentou rapidamente, e as contas multiplicaram-se para facilitar e expandir as condições para a prática da eutanásia. De fato, as informações disponíveis destacam múltiplos desvios na interpretação e aplicação da lei: a persistência de muitas eutanásias clandestinas, uma interpretação cada vez mais ampla dos critérios a serem atendidos (incluindo a noção de "sofrimento físico ou psicológico constante, insuportável e pouco atraente"), um aumento da eutanásia a pessoas deprimidas, um papel questionável da Comissão Federal de Controle, uma evolução para suicídios assistidos de alto perfil, o uso de eutanásia para doações de órgãos, questionamento da cláusula de consciência, etc.

As atitudes, especialmente nas regiões de língua holandesa, estão a evoluir rapidamente para a banalização da eutanásia, em nome da autonomia e da "liberdade do indivíduo para se livrar da sua vida e morte", uma visão utilitária e individualista da existência. A eutanásia é gradualmente vista como um direito exequível para os cuidadores, cuja aplicação pode ser reivindicada para si mesmo ou para familiares, mesmo que as condições não sejam claramente atendidas.

No entanto, diante desses excessos, uma verdadeira oposição começa a ser ouvida. Por exemplo: profissionais de saúde atestam os abusos nos seus serviços, em livros e documentários sobre a multiplicação das condições da eutanásia, representantes religiosos unem-se para defender a dignidade das pessoas vulneráveis, sem falar na atividade das redes sociais que constantemente informam e alertam, especialmente a nível internacional.

 II - DADOS ESTATÍSTICOS

O comunicado oficial emitido pela Comissão Federal de Controle em 2020 menciona 2.655 declarações de eutanásia recebidas em 2019, um aumento de 12% em relação a 2018. Desde que a lei de 2002 foi aprovada, o número de eutanásias aumentou literalmente dez vezes (veja tabela abaixo).

Das eutanásias registadas em 2019: 52,8% eram mulheres; 77% das declarações vêm do lado flamengo (escrito em holandês); dois terços das pessoas tinham mais de 70 anos, mas mais de duzentos tinham menos de 50 anos; 45,3% da eutanásia ocorreu em casa; em mais de 15% dos casos, "a morte não era esperada a curto prazo", o que significa que as pessoas não estavam no fim de suas vidas; a maioria sofria de cancros (62% dos casos) ou polipatologias (18%). As primeiras eutanásias de menores foram realizadas em 2017 em crianças de 9, 11 e 17 anos. Uma eutanásia a um menor foi relatada em 2019. Como nos anos anteriores, a Comissão Federal de Controle decidiu que não há problemas de execução, já que nenhum arquivo foi encaminhado ao Advogado do Rei. No entanto, esses números oficiais não refletem totalmente a realidade, uma vez que as eutanásias clandestinas permanecem numerosas: são estimadas em 35% do total de eutanásias (cf - IV-2). Por exemplo, em 2019, a Bélgica registrou mais de 7 eutanásias "legais" por dia (para uma população de 11,5 milhões, menor que a da região de Ile-de-France). Estatísticas mais detalhadas, notadamente por região (mais de 80% das eutanásias ocorrem na Flandres) e por tipo de patologia, estão disponíveis no rappor ttda ComissãoFederal de Controle. O mais recente, publicado em outubro de 2020, abrange os anos 2018-2019. (abaixo: a tabela de resumo na página 12 do relatório).

O Instituto Europeu de Bioética (IEB) publicou um resumo disso com as principais tabelas e análises relevantes.

III - LEGISLAÇÃO 

1 - A lei original de 2002

2 - Ato Juvenil de 28 de Fevereiro de 2014

3 - A lei de 15 de março de 2020 para alterar a legislação da eutanásia

4 - Proposta de legislação para ampliar o acesso à eutanásia para pessoas com demência


IV - DERIVAS RELACIONADAS AO DESCUMPRIMENTO DAS CONDIÇÕES PREVISTAS NA LEI

Há agora muitas razões para a preocupação com o descumprimento da lei.

1 - O papel questionável da Comissão Federal de Controle

2 - Eutanásias clandestinas que permanecem numerosas

3 - Falta de respeito e controle dos procedimentos

4 - Para o desenvolvimento da doação de órgãos após a eutanásia?

V - UMA INTERPRETAÇÃO EXTENSIVA DA LEI

1 - Da eutanásia ao suicídio assistido

A lei belga não exige que a pessoa esteja em estado terminal com uma doença grave e incurável, objetivamente avaliada pela profissão médica. Para os médicos interessados na Comissão Nacional de Controle, a percepção subjetiva do sofrimento torna-se, portanto, gradualmente o único critério levado em conta. Isso deixa a porta aberta para interpretações cada vez mais amplas e excessos chocantes, em nome do respeito à autonomia individual. Uma proporção crescente de eutanásia (17% em 2019, ou quase quinhentos pessoas) é agora praticada em pessoas que não estavam no fim de suas vidas, ou, nas palavras jurídicas, "cuja morte não é esperada a curto prazo". Situações cobertas por eutanásia em pessoas que não estão no final da vida incluem o caso de "polipatologias", consistindo em uma combinação de patologias não terminais (como osteoartrite, diminuição da visão ou audição, bem como dificuldades em lodo ou incontinência), mas cuja adição será considerada para permitir o acesso à eutanásia.

Há também o caso de eutanásias de pacientes com transtornos psiquiátricos como depressão (ver ponto V.2) ou síndromes dementes, ambas validadas dezenas de vezes pelo Conselho de Controle a cada ano.

Aqui estão alguns exemplos de mortes recentes que podem ser descritas como "suicídio assistido". Eles são agora facilmente aceites pela Comissão de Controle, embora tenham sido excluídos nos debates de origem da lei de 2002:

Eddy e Marc Verbessem, dois irmãos gêmeos de 45 anos nascidos surdos

Ann G. , 44 anos, sofrendo de anorexia

Um preso na prisão, condenado a uma sentença pesada e muito doente.

Christian de Duve95 anos, vencedor do Nobel

Nathan Verhest, 44 anos, "beneficiado" da eutanásia

Kevin Chalmet, na casa dos trinta anos, bombeiro

Johnny Vaes, 59 anos, com cancro no pâncreas

Esses testemunhos altamente divulgados na imprensa belga demonstram uma banalização crescente do ato de eutanásia e, mais recentemente, uma encenação e teatralização da morte.

2 - Sofrimento psíquico: até onde ir?

A lei belga sobre eutanásia exige, por um lado, a presença de um sofrimento psicológico e/ou físico constante, insuportável no paciente, por outro lado uma condição incurável. Esses dois conceitos devem ser claramente distintos: a condição pode atingir uma patologia psíquica, como depressão ou demência. O sofrimento psíquico pode resultar de uma patologia não psíquica, como o cancro, e abrir caminho para a eutanásia. Por outras palavras, o sofrimento psíquico pode resultar de uma patologia psíquica, mas não necessariamente.

Cada vez mais pessoas (124 em 2 anos 2014 e 2015) estão a ser eutanasiadas por "transtornos mentais e comportamentais": depressão, Alzheimer, demência, etc. Essa tendência perturbadora é, portanto, analisada em uma entrevista à Atlantico em outubro de 2016: "isso significa que, apesar de suas faculdades mentais prejudicadas, os médicos aderiram ao seu pedido".

No entanto, alguns casos foram evitados, inclusive no último momento, ou agora estão suspensos. Aqui estão alguns exemplos que mostram a ambiguidade dessas situações:

Laura Emily, 24 anos. Em 2015, the Economist transmitiu num documentário "24 e pronto para morrer" a jornada de Laura Emilie, que permaneceu viva após ter programado sua eutanásia. Mergulhando na depressão após uma infância difícil, a jovem pediu para ser eutanasiada em 24 de setembro de 2014. Três médicos aderiram ao seu pedido, justificando que se tratava de um "sofrimento psicológico incurável" como estipulado na lei de 2002. No Dia D, repórteres filmaram a sua morte, mas no último momento Laura Emily recusou: "Eu não posso fazer isso", disse ela. "As últimas duas semanas foram relativamente suportáveis. Não houve crises. Não está muito claro para mim: há algo que mudou em mim, ou algo que o tornou suportável? A jovem ainda está viva hoje.

Franck Van Den Bleeken, preso internado nos anos 50. Condenado por vários violações e assassinatos, este preso belga passou 30 anos na prisão. Enquanto ele estava de boa saúde física, Franck disse que não aguentava mais sua detenção. Foi-lhe negado o acesso a um hospital que poderia acomodá-lo na Holanda. Ele então perguntou, e obteve dos médicos que o seguiram, o acordo para a eutanásia, implorando um "sofrimento psíquico incurável". Após um debate nos media questionando a incapacidade do governo de propor uma solução hospitalar, os médicos finalmente inverteram a sua posição e conseguiram  transferir para uma unidade psiquiátrica especializada em Ghent.

Sebastien, 39 anos, fez um pedido de eutanásia em março de 2016 para o dia de seus quarenta anos. Em entrevista concedida ao jornal 20 minutos, pedófilo explicou: "Faço terapia há 17 anos. Passei quatro anos num hospital psiquiátrico. Já vi oito psicólogos, quatro psiquiatras, um sexólogo... agora não quero nada." O seu pedido não foi autorizado até o momento. De acordo com a Francetv, psiquiatras belgas dão um prazo de 18 meses para julgar se a solicitação é válida ou não.

3 - A crescente pressão das considerações económicas

Num artigo publicado em 17 de janeiro de 2017, o Dr. Marc Moens alerta que "como resultado de problemas financeiros no campo do cuidado com os idosos, estamos a  começar a debater uma política de eutanásia motivada por considerações socioeconómicas". Em alguns meios de comunicação e nos círculos médicos, " agora um defensor da eutanásia dos pacientes com Alzheimer"e argumenta-se que certos tratamentos para doenças incuráveis devem ser melhor interrompidos e o dinheiro investido no cuidado de pessoas curáveis. Dr. Moens conclui, no entanto, "Mas a eutanásia nunca poderá tornar-se numa solução económica no desenvolvimento da política de saúde. E ainda assim, a rampa deslizante está a aumentar.

4 - Para a inclusão da eutanásia entre os "cuidados de saúde"?

A definição de atenção à saúde, conforme redigido na lei belga de 10 de maio de 2015 relativa à prática de profissões de saúde, abrange atualmente "serviços prestados por um profissional dentro do sentido desta lei coordenada, com vistas a promover, determinar, conservar, restaurar ou melhorar a saúde de um paciente, alterando sua aparência corporal para fins principalmente estéticos ou acompanhando-o no final da vida". Entre os atos destinados a "acompanhar o paciente no final da vida", alguns consideram que a eutanásia deve agora ser integrada.

Além disso, o decreto belga sobre cuidados residenciais 2019 evoca, ao lado dos cuidados paliativos, o conceito de "levenseindezorg" ("cuidados de fim de vida"), uma espécie de eufemismo implicitamente voltado para a eutanásia. Essa tendência está mais amplamente alinhada com a apreensão da eutanásia como ato compatível com cuidados paliativos, ou mesmo como um cuidado paliativo como tal. O termo "cuidados paliativos integrais" para a integração da eutanásia na oferta paliativa reflete com precisão essa tendência.

Essa inclusão da eutanásia, como serviço prestado por um profissional sem objetivo diagnóstico ou terapêutico, entre procedimentos médicos, ou mesmo entre os cuidados de saúde, levaria, por um lado, ao fortalecimento da "integração cultural" da eutanásia na Bélgica.

Por outro lado, daria à eutanásia o status de "direito" no sentido mais amplo. A lei sobre eutanásia na Bélgica continua a ser uma lei de descriminalização, ou seja, qualquer eutanásia é criminalmente repreensível, a menos que seja realizada de acordo com as condições estritas definidas pela lei (cf. III-1). No entanto, considerar a eutanásia como um cuidado de saúde seria fazer da eutanásia um direito devido pelos pacientes, com critérios muito mais amplos de aplicação.

Essa mudança de estatuto também reduziria significativamente a escolha da objeção de consciência dos médicos, como está evidenciado na lei de 15 de março de 2020, no que diz respeito ao fortalecimento da obrigação de encaminhamento por médicos que se recusam a realizar eutanásia, agora obrigados a encaminhar o paciente a um "centro ou associação especializada no direito à eutanásia" (ver, supra ,ponto III.3).

CRESCENTE OPOSIÇÃO AOS DRIFTS

Desde sua introdução, há quase vinte anos, a opinião pública belga tinha sido bastante favorável em 2014 de estender a lei aos menores. No entanto, diante dos crescentes abusos na aplicação da lei, as iniciativas para desafiar a banalização da eutanásia multiplicaram-se recentemente. Os protestos estão a crescer, tanto na Bélgica como a nível internacional.

1 - Oposições por profissionais de saúde
2 - Crescente oposição cidadã na sociedade


3 - Reações internacionais

 

Para saber mais

 

  1. Livro de Eutanásia, o outro lado da história, Edições Mols, 2019,
  2. Raus, B. Vanderhaegen, S. Sterckx, "Eutanásia na Bélgica: Deficiências da Lei e sua Aplicação e do Monitoramento da Prática", The Journal of Medicine and Philosophy, 46, 2021, pp. 80-107.
  3. Eutanásia: 10 anos de aplicação da lei na Bélgica. Arquivo IEB, abril de 2012. Um dossiê muito abrangente sobre legislação e práticas, concluindo que não há controle efetivo sobre a aplicação da lei.
  4. Aviso de fim de vida 121,1Er Julho de 2013. Apêndice 2 sobre a revisão de experiências estrangeiras sobre suicídio assistido e eutanásia: análise das páginas Benelux 73 a 77.
  5. Relatório da Comissão Federal de Controle 2018-2019,divulgado em outubro de 2020. Revisão estatística detalhada das eutanásias realizada em 2014 e 2015.
Leia o artigo na íntegra aqui.

Sem comentários:

Publicar um comentário