segunda-feira, 12 de abril de 2021

Proposta de lei da eutanásia bloqueada no Senado francês, apesar da censura parlamentar



A lei de alto risco, que pretendia legalizar a eutanásia em França, falhou na quinta-feira passada no Senado.
Deputados corajosos do Parlamento, mobilizaram-se para derrotar este texto, que foi levado a cabo por intensos lóbis mediáticos. O governo - apesar das ambiguidades de vários ministros - ainda não apoiou a eutanásia. Mas um número crescente de deputados está a ser arrastado pela dialética individualista que defende a chamada "liberdade de escolher a morte".
Tugudual Derville comenta como decorreu a noite de debate: "Ao longo da semana, membros de equipas da Aliança VITA em toda a França intensificaram o seu questionamento aos eurodeputados. Por seu lado, os porta-vozes do coletivo Soulager mais pas touer, dos quais somos os pontas de lança, mobilizaram cuidadores e fizeram a comunicação social aparecer na imprensa.
Ontem de manhã, quando o debate estava prestes a decorrer, éramos sete, incluindo três médicos e um enfermeiro, que se desemparámos na Assembleia Nacional para realizar uma conferência de imprensa denunciando a indecência deste debate parlamentar. No entanto, apesar de ter sido devidamente declarada e autorizada pela Prefeitura de Polícia e apesar da presença de cerca de cinquenta representantes do coletivo, esta conferência de imprensa foi objeto de uma ordem de proibição de última hora.
A polícia dispersou-nos sem termos tido tempo para falar. Quisemos implantar as nossas silhuetas, uma representando um cuidador e a outra deputada, marcadas com estas palavras: "Enquanto lutamos para salvar vidas" ..." Discutem a eutanásia." Um orador tinha vindo da Bélgica para denunciar os excessos de uma lei que os deputados franceses afirmam escolher como modelo; outro, o Professor Jonquet, estava a chegar de Montpellier, enquanto o porta-voz 100% vivo ia testemunhar numa cadeira de rodas.
Estamos determinados a continuar a mobilização sobre este assunto, sem nos deixarmos intimidar ou desencorajar. Mesmo que, como verifiquei ontem quando debati no Jean-Marc Morandini no CNews, muitos jornalistas estejam a fazer campanha pela eutanásia.
Para reequilibrar as coisas e ouvir palavras de sabedoria indiscutíveis, recomendo vivamente o apelo solene de que o nosso amigo Philippe Pozzo di Borgo, padrinho de Soulager mas não matando, se preparou para os parlamentares de hoje e de amanhã: "Não abolir as nossas vidas!" que li para todos nós, numa rua adjacente.
O fracasso deste texto é uma vitória marcante a não ser ignorada. Obrigado a todos pelo que fizeram. Mas não se iludam, os defensores da eutanásia querem torná-lo a questão das eleições presidenciais. Pode até ser que outros parlamentares voltem a forçar o debate em 2021."

Tugdual Derville,  porta-voz da Soulager mais pas tuer, Alliance Vita

Sem comentários:

Publicar um comentário