quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Vai deixar os cuidados paliativos serem abandonados para dar lugar à eutanásia?



A eutanásia é uma questão complexa, emocional. Todos nós já passamos por uma experiência em que pensamos que havia muito sofrimento; que a morte seria mais fácil. Os nossos corações partem-se quando vemos o sofrimento daqueles que amamos e queremos poder aliviá-lo. Este é um assunto caro ao coração de muitas pessoas, e existem histórias preciosas por trás de todas essas pessoas. Como uma enfermeira neozelandesa com experiência em trabalhar ao lado de uma equipa fantástica de cuidados paliativos, gostaria de esclarecer um pouco mais sobre esta importante questão ao votarmos no próximo referendo. Muitas vezes as pessoas falam sobre morrer bem ou com dignidade. É um conceito interessante. É possível morrer com dignidade? Talvez isso dependa de como se define dignidade. Assim como o nascimento é um processo confuso, mas lindo, também o é, eu acho, a morte. Talvez nem sempre haja dignidade em todos os aspectos de como usamos essa palavra, mas pode haver paz e aceitação. E certamente pode ser indolor. E tudo isso pode acontecer sem eutanásia. Mas sei que pode não ser o que ouviu ou experimentou. Ouvi histórias de familiares em luto afirmando que os seus entes queridos recebiam os melhores cuidados paliativos: as suas enfermeiras ou equipe médica eram gentis e atenciosas e não podiam culpá-los; mas que o seu ente querido ainda sofria insuportavelmente. Deixe-me interromper aqui: esse não é o melhor cuidado paliativo. Isso não é nem um bom cuidado paliativo! Existem muitas abordagens diferentes para os cuidados paliativos e muitos remédios diferentes que podem ser oferecidos, e eu ouvi muitas histórias em que o que eu sei que poderia ter sido oferecido não foi, ou foi oferecido muito tarde no jogo. Eu até vi isso acontecer na minha família. A maioria de nós concordaria que os cuidados paliativos são uma parte muito importante da saúde, mas então por que não são totalmente financiados pelo governo na Nova Zelândia? O relatório de 2017 do Health Select Committee mostra que algumas partes da Nova Zelândia têm escassez de especialistas em cuidados paliativos e que o acesso aos serviços de cuidados paliativos não é fácil para todos os neozelandeses, especialmente nas áreas rurais e provinciais. Os cuidados paliativos são geralmente administrados por profissionais de saúde, em geral, na maioria das vezes, com um especialista disponível, apenas quando "necessário". O problema é que diferentes profissionais de saúde recorrerão a um especialista em diferentes estágios com base na sua própria interpretação de "carência". Isso significa que aspectos do cuidado, como o alívio da dor, podem ser gerenciados de maneira muito diferente de caso para caso. Devemos compreender que os cuidados paliativos não são algo que todo trabalhador de saúde esteja equipado para fazer, não só física e mentalmente, mas também emocional e espiritualmente. No entanto, é uma parte esperada de seu trabalho, para a qual, às vezes, recebem uma formação mínima.
Temos também uma força de trabalho de cuidados paliativos que está a envelhecer e a diminuir, com 56% da força de trabalho prevista para ter mais de 65 anos este ano, apesar da necessidade de esses serviços estarem previstos para aumentar 51% até 2038. Temos muito mais a aprender sobre cuidados paliativos. Temos muito mais para oferecer do que dar uma injeção letal. As abordagens de cuidados paliativos devem começar muito mais cedo na jornada de saúde de uma pessoa. Por exemplo, administração de medicação para prolongar a vida: por que estamos a tentar prevenir um derrame com aspirina quando alguém já perdeu a maior parte de suas capacidades? Este deve ser nosso primeiro passo para perguntar e reconhecer a prontidão de uma pessoa para morrer, e acredito que uma maneira muito mais natural e saudável de deixá-la ir, em vez de injetá-la com uma dose letal. Também posso imaginar muitos pacientes em instituições de assistência a idosos escolhendo a eutanásia, mas erroneamente por um sentimento de ser um fardo para os outros, ou simplesmente solidão. Não acredito, nem por um minuto, que as suas vidas sejam inúteis. Eu adoraria ver o governo iniciar ideias sobre como dar vida a essas instalações, em vez de lhes dar a quantia monetária mínima de que precisam para sobreviver. E acredito que é responsabilidade de nossa nação cuidar bem dos idosos, pois eles trabalharam muito para nos dar o lindo país em que vivemos e pagaram impostos fielmente ao nosso país durante toda a vida.

Nicole van den Engel é enfermeira inscrita na Nova Zelândia e atualmente trabalha como voluntária em enfermagem nas Filipinas, onde agora vive com o marido e dois filhos. Com experiência em ambientes de saúde comunitários, incluindo cuidados paliativos e cuidados a idosos, na Nova Zelândia e na Austrália.

Leia mais aqui.

Sem comentários:

Publicar um comentário