quarta-feira, 28 de abril de 2021

Cuidar o processo de morrer: Onde estamos? - por Enrique Benito Oliver




A recente lei espanhola de regulamentação da eutanásia preconiza melhorar a vida de algumas pessoas quando morrem. Ora o alívio do sofrimento de todos aqueles que enfrentam o seu fim de vida e o de seus entes queridos, inspira há 30 anos a Sociedade Espanhola de Cuidados Paliativos (SECPAL). Essas reflexões que se seguem surgem da experiência clínica, não de qualquer crença ou ideologia. Morrer não é de direita ou de esquerda, nem é uma doença, mas como Borges disse, "um costume que as pessoas têm". Sem banalizar, lembre-se que é natural, uma experiência humana, não uma patologia para ser tratada.
Nas últimas décadas, as sociedades que chamamos de desenvolvidas, encurralamos a morte em hospitais, construídas como templos de cura e temos o risco de tratá-la como mais uma doença. Muitas vezes, tanto a sociedade como os próprios profissionais de saúde vêem a morte como uma falha terapêutica, essa é uma perspectiva ignorante do nosso papel como trabalhadores da saúde e uma fonte de sofrimento adicional. Em geral, o sistema de saúde não se preocupa em morrer com a mesma qualidade profissional que o parto ou doenças curáveis.
Esse cuidado não parece ser responsabilidade dos profissionais de saúde, mantendo-nos, assim, na ignorância de como ajudar a fechar bem e celebrar cada vida que termina. Negando essa realidade, não sabemos como acompanhar esse momento. Somos gigantes em tecnologia, anões no humanismo e ignorantes no cuidado quando morrem.
Nos cuidados paliativos aprendemos que, ao cuidar com respeito e profissionalismo para a pessoa e sua família, podemos facilitar uma das experiências mais importantes de sua vida. Para eles esse processo muitas vezes é uma jornada sem mapa ou preparação, através de um território de incerteza, com mudanças importantes e em geral, sem guias para viajar essa despedida. Cuidar deles pode fazer uma grande diferença para aqueles que morrem e para os familiares que vivem uma experiência única, que geralmente deixa sua marca. Para isso, precisamos de formação em bioética, tomada de decisão na incerteza, habilidades de comunicação e gestão emocional, e na avaliação e acompanhamento do sofrimento.
Por outro lado, essa sociedade supostamente desenvolvida cultiva uma superficialidade baseada numa cultura de imagem, narcisismo, imaturidade, postura, satisfação imediata, e baixa tolerância ao sofrimento. Parece que nos desviamos, pelo menos temporariamente, da profundidade que nos conecta à nossa humanidade, e habitamos uma ignorância do que significa ser uma pessoa, como viver plenamente e enfrentar a morte. Ou seja, vivemos em um ambiente social que não entende ou cuida do sofrimento, e que é propenso a buscar respostas rápidas e socialmente boas.
Nesse contexto, aparece uma lei adequada a ela, ou seja, imatura, superficial, sem aprofundar as razões do sofrimento, com a boa intenção como a inconsciência da realidade. E sem consulta especializada ou reflexão sobre como aliviar o sofrimento de todos os cidadãos nesta fase da vida.
Do nosso ponto de vista, nem os promotores nem os detratores da lei no parlamento deram uma resposta adequada ao sofrimento nesta fase da vida. Mesmo que todos tentem tirar vantagem de um problema, eles só começaram a arranhar a superfície. Eles parecem ter manipulado os media, fingindo aliviar o sofrimento. Escandalosamente, não é apenas a espuma das ondas dos poucos que morrem diante das câmeras ou dos media anunciando a falta de resposta ao seu desconforto, mas sobretudo o oceano de sofrimento profundo, silencioso e oculto que nós profissionais testemunhamos diariamente e que não é visto ou abordado por falta de perspectiva, formação e recursos.
Assim, temos uma lei que regulamenta a eutanásia, num país sem o desenvolvimento da atenção profissional e humanizada ao processo de morte, com quase nenhum recurso especializado, sem cultura para acompanhar, e sem formação profissional ou rede social para apoiar esse processo. Um artigo recente e recomendado na infoLibre intitulado: Cuidados paliativos, o grande assunto de destaque que o direito tenta misturar-se com a eutanásia. Eu acho que os especialistas em cuidar do processo de morte deste país, nós sentimos principalmente que a partir da política queremos manipular os media para uma uma questão que nós achamos que mereceria mais interesse e atenção. O que eles fizeram até agora da nossa perspectiva não é começar a casa no telhado, mas pela antena a ser colocada no telhado sem ter a fundação colocada. Este edifício comum continua a ser construído, essencial para reconhecer e celebrar a nossa humanidade num momento de vital importância, e que começamos de forma errada.

Sem comentários:

Publicar um comentário