terça-feira, 29 de setembro de 2020

O preço da legalização da eutanásia é demasiado alto, por Maggy Barry



Se as pessoas desejam opções diferentes no final de suas vidas, o End of Life Choice Act não é a melhor alteração da lei para atingir esse fim. Os riscos e a falta de salvaguardas para proteger os vulneráveis ​​é um preço muito alto a pagar. Antes de a Nova Zelândia apertar o botão nuclear para legalizar a eutanásia e o suicídio assistido, precisamos garantir que todos que precisam de cuidados paliativos padrão-ouro tenham acesso a eles. Trágicamente, muitas pessoas sofreram com o alívio inadequado da dor e tiveram mortes difíceis. Nós precisamos fazer melhor. Legalmente, agora, as pessoas que estão a morrer e as suas famílias já têm a opção de desligar o suporte vital, recusar qualquer tratamento, ter uma ordem de 'não ressuscitar' e receber medicação paliativa para dor, como morfina, que pode acelerar morte. Segundo esta legislação, se um paciente perguntar a um médico sobre morte assistida, o médico de família está expressamente proibido, sob risco de processo, de oferecer aconselhamento e tratamentos. Em vez disso, eles são obrigados a aconselhar o paciente que não são obrigados a falar com ninguém da sua família e a encaminhá-los a uma lista de 12 médicos - nomeados pelo Ministério da Saúde - que são partidários da eutanásia e "dispostos a agir". A grande maioria dos médicos que compareceram ao comité selecionado não deseja participar da administração de drogas letais; eles querem cuidar de seus pacientes, não matá-los.
Os grupos de prevenção de suicídio estão seriamente preocupados que a morte assistida permitida pelo Estado seja vista como um apoio implícito, "normalizando" o suicídio, o que minaria quaisquer esforços de prevenção. Eles disseram ao Comité selecionado que, se legalizássemos a morte de um cidadão por outro, isso enviaria mensagens contraditórias e confusas de que não há problema em algumas pessoas serem ajudadas a morrer e que algumas vidas simplesmente não valem a pena. Houve 654 neozelandeses que se suicidaram no ano passado e temos uma das maiores taxas de suicídio de jovens no mundo desenvolvido, com 18,69 por cem mil pessoas. É preocupante que isso tenha sido superado no ano passado com um aumento dramático na taxa de suicídio entre pessoas de 80-85 anos, que triplicou no ano até junho, de 6,49 para 19,48. Quando os idosos estão isolados, os efeitos corrosivos da solidão e a sensação de inutilidade e de ser um fardo podem se tornar opressores. Em Oregon, no ano passado, 59 por cento das pessoas citaram ser "um fardo para a família, amigos / cuidadores" como a principal razão para querer morrer. Pacientes com seguro de saúde financiado pelo estado de Oregon tiveram a sua solicitação de tratamento de cancro negada, mas informados de que são elegíveis para o estado pagar por suicídio assistido (muito mais barato). Não é novidade que um número crescente de pessoas está agora nomeando "implicações financeiras do tratamento" como uma preocupação com o fim da vida. Como Ministra dos Idosos por três anos, fiquei horrorizada com a extensão do flagelo do abuso físico, psicológico e financeiro de idosos. Três quartos do abuso e negligência foram infligidos pelos próprios familiares da vítima e, para muitos idosos abusados, é um segredo vergonhoso que eles não queriam discutir. A coerção pode ser sutil e o abuso é notoriamente complexo e difícil de detectar, quanto mais provar em um tribunal. Sabemos que uma em cada 10 pessoas com mais de 65 anos, cerca de 70.000 neozelandeses, sofreram abusos. Se essa lei for aprovada com suas garantias legais insignificantes, ela permitiria ainda mais a predação sobre os vulneráveis ​​e com consequências fatais. O chamado direito de morrer por alguns poderia facilmente se tornar um dever de morrer por outros.
Não é tarde demais para desistir desta legislação falhada e pegar no que aprendemos e fazer uma lei adequada para permitir que todos morram com dignidade. Concordo com a Comissária para os Direitos das Pessoas com Deficiência, Paula Tesoriero, que podemos e devemos fazer melhor e "co-criar uma peça legislativa com as pessoas certas à volta da mesa". Desta vez, com a pessoa em fim de vida no centro de uma nova lei que garantiria que as pessoas vulneráveis ​​estivessem livres de pressão e coerção e tivessem a competência mental para compreender a decisão de vida ou morte que estavam tomando. A eutanásia não é um tratamento para o desespero e a solidão e, se esse referendo for aprovado, as esperanças de um futuro seguro e feliz para muitos de nossos mais vulneráveis ​​se extinguirão. 

Maggie Barry, é deputada da Câmara dos Representantes na Nova Zelândia, foi Ministra da Terceira Idade V Governo Nacional, e vice-presidente do Comité de Justiça, que considerou o projeto de lei de escolha do fim da vida, em 2018.

Leia o artigo aqui.

Sem comentários:

Publicar um comentário