segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Experiências dos médicos com a eutanásia: uma pesquisa transversal entre uma amostra aleatória de médicos holandeses para analisar as suas preocupações, sentimentos e pressão

Base de estudo

Os médicos que recebem um pedido de eutanásia ou suicídio assistido podem vivênciar um conflito de deveres: o dever de preservar a vida de um lado e o dever de aliviar o sofrimento de outro. Pouco se sabe sobre as experiências dos médicos em receber e conceder um pedido de eutanásia ou suicídio assistido. Este estudo, portanto, teve como objetivo explorar as preocupações, sentimentos e pressões experimentados por médicos que recebem solicitações de eutanásia ou suicídio assistido.

Métodos - Em 2016, foi realizado um estudo transversal. Os questionários foram enviados a uma amostra aleatória de 3.000 médicos holandeses. Médicos que trabalharam no atendimento de pacientes adultos na Holanda durante o último ano foram incluídos na amostra (n = 2.657). Metade dos médicos foram questionados sobre o caso mais recente em que recusaram um pedido de eutanásia ou suicídio assistido, e metade sobre o caso mais recente em que concederam um pedido de eutanásia ou suicídio assistido.

Resultados - Dos 2.657 médicos elegíveis, 1.374 (52%) responderam. O motivo mais relatado para não participar foi a falta de tempo. Dos entrevistados, 248 responderam perguntas sobre uma eutanásia recusada ou pedido de suicídio assistido e 245 sobre um pedido de EAS concedido. Preocupações sobre aspectos específicos do processo de eutanásia e suicídio assistido, como a carga emocional de preparar e realizar a eutanásia ou suicídio assistido, foram frequentemente relatadas por médicos que recusaram e atenderam o pedido. A pressão para conceder um pedido foi principalmente experimentada por médicos que recusaram um pedido, especialmente se o paciente tinha ≥ 80 anos, tinha uma expectativa de vida ≥ 6 meses e não tinha cancro. A grande maioria dos médicos relatou emoções contraditórias após ter realizado a eutanásia ou o suicídio assistido.

Conclusões - A sociedade deve estar ciente do impacto da eutanásia e dos pedidos de suicídio assistido nos médicos. A tensão que os médicos experimentam pode diminuir a sua disposição de realizar a eutanásia e o suicídio assistido. Por outro lado, os médicos não devem ser forçados a cruzar seus próprios limites morais ou tentados a realizar a eutanásia e o suicídio assistido em casos que podem não atender aos critérios de cuidado devidos.

Pode ler o artigo aqui

Sem comentários:

Publicar um comentário